O Blogue das Bibliotecas Escolares / Centro de Recursos Educativos do Agrupamento de Escolas Alfredo da Silva surge com o objetivo de manter informada toda a comunidade educativa sobre os recursos que se vão adquirindo, as atividades que se realizam e outros assuntos considerados de interesse.
Lançamos, desde já, um desafio aos nossos visitantes no sentido de nos fazerem chegar as críticas e as sugestões que considerem pertinentes para que possamos melhorar este serviço indo ao encontro das expetativas e interesses de todos.


terça-feira, maio 21, 2013

Poema da Quinzena


Quero Ser Tambor

                 Tambor está velho de gritar
                                         Oh velho Deus dos homens
                                         deixa-me ser tambor
                                         corpo e alma só tambor
                                         só tambor gritando na noite quente dos trópicos.

                                         Nem flor nascida no mato do desespero
                                         Nem rio correndo para o mar do desespero
                                         Nem zagaia temperada no lume vivo do desespero
                                         Nem mesmo poesia forjada na dor rubra do desespero.

                                         Nem nada!

                                         Só tambor velho de gritar na lua cheia da minha terra
                                         Só tambor de pele curtida ao sol da minha terra
                                         Só tambor cavado nos troncos duros da minha terra.

                                         Eu
                                         Só tambor rebentando o silêncio amargo da Mafalala
                                         Só tambor velho de sentar no batuque da minha terra
                                         Só tambor perdido na escuridão da noite perdida.

                                         Oh velho Deus dos homens
                                         eu quero ser tambor
                                         e nem rio
                                         e nem flor
                                         e nem zagaia por enquanto
                                         e nem mesmo poesia.
                                         Só tambor ecoando como a canção da força e da vida
                                         Só tambor noite e dia
                                         dia e noite só tambor
                                         até à consumação da grande festa do batuque!
                                         Oh velho Deus dos homens
                                         deixa-me ser tambor
                                         só tambor!
                                                                          José Craveirinha


Sem comentários:

Enviar um comentário